Ranking aponta quais são as rodovias mais mortais no RS nos últimos 12 anos

Gaúcha ZH/Carlos Macedo/Ag. ZH/foto: arquivo

Entre 2007 e 2018, 13.924 pessoas perderam a vida em estradas estaduais e federais no Estado. Para especialistas, má conservação e falta de policiamento explicam os números

br116De 2007 até 2018, 13.924 pessoas morreram em rodovias estaduais e federais no Rio Grande do Sul.

A BR-116, marcada por atrasos nas obras de duplicação, concentra o maior número de mortes no período, segundo dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-RS). 

Nesses 12 anos, 1.273 pessoas perderam a vida nessa estrada federal. Na segunda colocação do ranking, figura a BR-386, com 1.087 vítimas.

Em 2018, a BR-386 ficou no topo entre as estradas mais mortais no RS, com 89 óbitos. Na sequência, aparece a BR-290, com 70 mortes. 

O Detran ainda não possui o balanço parcial deste ano.

No último fim de semana de Páscoa, a BR-386 registrou oito mortes em dois acidentes — em um deles, cinco pessoas da mesma família perderam a vida no trecho de Fontoura Xavier. Foram 15 mortes nas estradas do RS neste feriado.

Cinco rodovias federais figuram no top 5 de mortalidade. A estrada estadual com maior número de óbitos é a RS-122, que soma 479 na série histórica. 

O levantamento do Detran leva em conta mortes ocorridas até 30 dias após o acidente. 

As dez rodovias com maior número de mortes (de 2007 até 2018):

 Especialistas avaliam números

Conforme os dados passados pelo Detran-RS, o pódio das vias com maior número de acidente fatais fica com BR-116, BR-386 e BR-290. Segundo especialistas no assunto, fatores como má conservação e falta de policiamento influenciam na somatória.

Em relação a duas vias importantes do Estado, a BR-116 e a BR-386, os números se mantinham perto das cem mortes ao ano em 2013 e 2014. Desde então, eles diminuem de forma tímida, mas continuam expressivos.

Um dos fatores para a baixa no número pode ser a instabilidade econômica de 2014, conforme o professor da Escola de Engenharia da UFRGS, Luiz Afonso Senna.

 — Depois desses períodos, geralmente, a circulação diminui, reduzindo as mortes. São vias absolutamente fundamentais para a economia do Estado e, em muitos pontos, tem pista simples.

 Na visão do engenheiro civil e doutor em Transportes da UFRGS, João Fortini Albano, os números apontam a precariedade das rodovias. Ele também cita a pista simples como fator para vítimas fatais. O cenário também é composto por curvas acentuadas e trechos mal conservados.

— Esse tipo de cenário com tráfego intenso, pista simples e sinuosa leva ao maior potencial de acidente.

Um exemplo positivo das rodovias é a BR-470, que liga o município de Navegantes (SC) ao de Camaquã (RS). Antes estadual, a via se tornou federal em 2015. Depois disso, passou a ser administrada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) — apenas uma pequena parte ainda é administrada pelo Estado, por meio do Daer. No mesmo ano, Bento Gonçalves passou a contar com um posto da PRF.

Segundo o órgão, maior policiamento e melhorias, na sinalização e na infraestrutura, explicam os números. Uma das obras de restauração que mais contribuiu ocorreu entre Bento e Garibaldi, conforme o Dnit. Se em 2013 foram 31 mortes e em 2014, 27, entre 2015 e 2018 foram apenas 10 — em 2016, nenhuma morte foi registrada pelo Detran/RS.

Policiamento é setor primordial para o especialista em análise de acidentes de trânsito, Mauri Adriano Panitz. Segundo ele, o trabalho feito é ineficiente.

— Temos um número de policiais que é o mesmo que se tinha, praticamente, há 10 anos atrás. Acidentes e mortes se reduzem com a presença do policial. Quando o motorista sente que há polícia ostensiva, ele cuida. A falta disso e a má conservação de estradas influenciam nesses números.

 Para os próximos anos, a tendência é que o número de acidente diminua, conforme Albano. O fenômeno vem sendo visto, segundo ele, tanto no Estado quanto no país:

— Existe uma queda no número de óbitos, devido a campanhas de conscientização e fiscalização em todo o país, que tendem a diminuir esse problema.

br116

Tags: Interdições BR 116, Acidente BR 116, DNIT, online, Tapes

Enviar comentário

voltar para Estado

left normalcase show fsN tsN fwR|left tsN fwB b03s bsd|left fwR show tsN center|c05||image-wrap|login news b01 fwB tsN fwR tsY c10 bsd|normalcase tsN c05 sbss|normalcase c10|login news b01 normalcase c05 c10 bsd|tsN normalcase c05 sbss|signup|content-inner||