Fundasul conscientiza sobre o Dia Nacional da Doação de Órgãos

Publicado por bira costa em 27/09/2017 às 09h45

Júlio C. Souza/Assessoria de Imprensa/Mtb-16935

Data é celebrada em todo o país no dia 27 de setembro

FundasulNo dia 27 de setembro, celebra-se o Dia Nacional da Doação de Órgãos.  Em todo o país, a data é celebrada, por iniciativa da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), Ministério da Saúde e secretarias estaduais da Saúde.

A semana tem como principal objetivo divulgar informações sobre doação e transplante de órgãos e, desse modo, sensibilizar a população para a importância de ser um doador.

E o Brasil tem motivos para celebrar: a rede pública de transplantes do país é uma das mais organizadas e eficientes do mundo, e o número de doadores cresceu desde que a legislação sobre o tema entrou em vigor, há cerca de 20 anos.

Mas como tudo sempre pode melhorar, o país ainda tem o desafio de reduzir as filas que impõem a milhares de famílias o sofrimento da espera por um doador.

Chegamos à marca de 16 doadores efetivos por milhão de, mas vislumbramos alcançar países como Espanha, Estados Unidos, Portugal e França, onde essa proporção dobra. 

De acordo com dados de uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, o que mais pesa na decisão de doar órgãos, segundo médicos e especialistas que atuam na rede de transplantes, é a falta de informação. Então, se informe sobre o tema e ajude a salvar vidas.

O que você precisa saber para salvar vidas:

O que é a doação de órgãos?

É o ato de permitir que uma ou mais partes do corpo (órgãos ou tecidos) sejam retiradas de um paciente após a morte dele para que possam ajudar outras pessoas. Em alguns casos, a doação também pode ser feita em vida.

Como ser doador?

O ideal é manifestar a vontade de doar e informá-la à família. Não adianta deixar o desejo expresso por escrito nem um registro — mesmo gravado em vídeo ou declarado em uma rede social, por exemplo. A decisão final é dos familiares: são eles que definirão se e quais órgãos e tecidos serão doados.

Quando a doação é possível?

Não é qualquer tipo de morte que viabiliza a doação. Para que os órgãos possam ser transplantados, é preciso que sejam retirados enquanto o coração ainda bate artificialmente — o que só é possível em casos de morte encefálica, quando todas as funções do cérebro param de maneira completa e irreversível. Essa é a definição legal de morte. Quando cessam todas as funções neurológicas, o organismo é mantido "funcionando" com a ajuda de aparelhos. Como ainda há uma pulsação e o corpo está quente, há dificuldade de os familiares entenderem que aquela pessoa efetivamente está morta, que se trata de uma situação irreversível. E a negativa familiar diante de situações como essa é a principal causa que impede a doação de órgãos. É por isso que, apesar do grande número geral de mortes, a quantidade de possíveis doadores é baixa.

Quem pode e quem não pode doar?

Há critérios de seleção destinados a impedir que órgãos pouco saudáveis sejam utilizados em transplantes. A idade não costuma ser um deles: crianças e idosos podem ser doadores, assim como qualquer pessoa que tenha tido a morte encefálica confirmada. Mas a causa da morte e o tipo sanguíneo do doador, entre outros fatores, ajudam a definir quais partes de um corpo poderão ajudar outras pessoas. 

Mais informações sobre doação de órgãos você encontra no site da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). O site é o www.abto.org.br  .

 

 

Categoria: Saúde
Tags: doação de órgãos, Ensino Superior, Fundasul, online, Tapes

Enviar comentário

voltar para Notícias

left normalcase show fsN tsN fwR|left tsN fwB b03s bsd|left fwR show tsN center|c05||image-wrap|login news b01 fwB tsN fwR tsY c10 bsd|normalcase tsN c05 sbss|normalcase c10|login news b01 normalcase c05 c10 bsd|tsN normalcase c05 sbss|signup|content-inner||